Descubra as principais causas da incontinência urinária na gravidez

  • 7
    Shares

Idas mais frequentes ao banheiro para urinar é uma situação rotineira para as gestantes. Quanto mais a gestação avança e maior fica a barriga, menor o espaço entre uma visita e outra ao toalete.

Muitas mulheres desenvolvem incontinência urinária na gravidez. A estimativa é que o problema acometa 40% das gestantes, sendo uma condição normal para o período, mas que pode exigir uma atenção maior quando gera constrangimentos ou os escapes acontecem várias vezes ao longo do dia e permanecem por mais de três meses após o parto.

Neste artigo vamos explicar as principais causas da incontinência urinária na gravidez e como é feito o tratamento, além de dar dicas para evitar o problema. Confira!

Os tipos de incontinência urinária

Antes de falarmos sobre as principais causas da incontinência urinária na gravidez, vamos brevemente diferenciar os três tipos possíveis:

  • incontinência urinária por esforço — a perda de urina acontece quando a gestante faz um esforço abdominal, como tossir, espirrar ou gargalhar;
  • incontinência urinária de urgência — a grávida sente vontade urgente e súbita de urinar, não conseguindo chegar ao banheiro a tempo de evitar o escape de urina;
  • incontinência mista — quando a perda de urina acontece simultaneamente nas duas situações citadas acima.

A incontinência urinária na gravidez

Abaixo explicamos as principais causas de incontinência urinária durante a gestação.

Crescimento do útero

O crescimento do útero para acomodar o bebê reorganiza os órgãos da mãe no abdômen, exercendo uma pressão maior sobre a bexiga. Comprimida, ela perde capacidade de armazenamento de urina, fazendo com que a necessidade de ir ao banheiro seja mais frequente. Qualquer esforço abdominal pode provocar a perda involuntária de urina, devido à dificuldade da gestante de controlar a bexiga.

DESCUBRA:  5 motivos para você falar com seu bebê na barriga

Peso do bebê

Bebês mais pesados exercem uma pressão maior sobre os músculos do assoalho pélvico da mãe, exigindo mais dessa musculatura. O peso cada vez maior, devido ao crescimento do bebê, relaxa a musculatura do esfíncter urinário, favorecendo a perda involuntária de urina.

Hormônios da gravidez

Os hormônios da gravidez têm efeito relaxante sobre a musculatura da mãe, atingindo o assoalho pélvico e os esfíncteres. Essa frouxidão compromete a capacidade de controle da bexiga.

Diabetes gestacional e tabagismo

Um estudo desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP e da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), com 7 mil mulheres, indicou que o diabetes gestacional e o tabagismo — além do ganho excessivo de peso — são fatores de risco relacionados a uma maior ocorrência de incontinência urinária na gravidez.

O estudo comparou gestantes das cidades de São Luís e Ribeirão Preto. Na cidade paulista, onde o índice de gestantes fumantes foi de 15% (na cidade maranhense são 10%) houve uma prevalência maior de incontinência urinária durante a gestação.

A incontinência urinária no pós-parto

Geralmente, três meses após o nascimento do bebê, há uma melhora espontânea da incontinência urinária. O útero volta ao tamanho normal e os órgãos do abdômen se encaixam novamente em seus lugares. Com isso, os músculos do assoalho pélvico são liberados da pressão exercida pelo peso do bebê e do útero aumentado e a bexiga recupera sua capacidade de armazenamento.

Em alguns casos, no entanto, a perda involuntária de urina persiste e é preciso buscar ajuda médica. Veja abaixo as principais razões da persistência da incontinência urinária no pós-parto.

DESCUBRA:  Nomes mitológicos para meninos e meninas e seu significados

Bebê com mais de 4 quilos

Crianças que nascem com mais de 4 quilos exercem mais pressão sobre o canal de parto, podendo provocar uma laceração maior do períneo, relaxando sua musculatura e causando lesões que dificultam a recuperação do tônus muscular da região, comprometendo o controle do esfíncter urinário após o parto.

Trabalho de parto prolongado

Quando a velocidade do trabalho de parto ativo — após superar os 4 cm de dilatação — é superior a 1 cm por hora, pode ser sinal de trabalho de parto prolongado. Partos que demoram mais que 20 horas exigem muito da musculatura do assoalho pélvico e esticam excessivamente o períneo, enfraquecendo esse grupo muscular e comprometendo sua funcionalidade de controlar a saída de urina.

O tratamento para incontinência urinária na gravidez e pós-parto

Como vimos, as principais causas de incontinência urinária no período gestacional e pós-gestação estão relacionados ao enfraquecimento da musculatura perineal, do assoalho pélvico e abdominal. Portanto, para solucionar o problema, é preciso restabelecer e fortalecer essas musculaturas para que elas sofram menos com o peso e os hormônios da gravidez e possam ser mais resistentes ao parto.

Normalmente são usadas algumas abordagens básicas para tratar o problema. Veja!

  • exercícios fisioterapêuticos para fortalecer a musculatura — como os exercícios de Kegel para a contração do assoalho pélvico;
  • fisioterapia com estímulo elétrico — os músculos pélvicos são estimulados por meio de ondas elétricas leves, emitidas por um aparelho;
  • medicamentos — receitados no pós-parto quando a incontinência é persistente, esses remédios reduzem as contrações da bexiga ou agem melhorando a ação do esfíncter urinário;
  • cirurgia — feita no pós-parto quando o problema é mais extenso e os resultados fisioterapêuticos e o uso de medicamentos não são satisfatórios; é colocado, via vaginal, um dispositivo para ajudar na sustentação da bexiga e recuperação do controle mictório.
DESCUBRA:  Nomes de bebês 2017: masculinos e femininos

A prevenção da incontinência urinária na gravidez e pós-parto

É possível prevenir a incontinência urinária no período gestacional com medidas muito simples.

Controlando o peso

Evitar o ganho excessivo de peso reduz a sobrecarga na musculatura pélvica, além de evitar outros problemas como hipertensão e diabetes gestacional.

Evitando o cigarro

Gestantes definitivamente não devem fumar. Além de trazer inúmeros riscos para o bebê, o fumo também tem efeito negativo sobre a musculatura de controle da urina.

Não prendendo a urina

Ainda que seja incômodo ir ao banheiro muitas vezes, prender a urina pode levar à incontinência. Isso porque a capacidade da bexiga está mais limitada e a musculatura sobrecarregada, além de poder causar infecção urinária.

Esvaziando a bexiga com frequência

Ir ao banheiro a cada hora, mesmo que não esteja com vontade, ajuda a prevenir a incontinência.

Fazendo exercícios de fortalecimento da estrutura pélvica e abdominal

Além dos exercícios de Kegel, pilates e ioga podem ajudar nesse fortalecimento e no bem-estar geral da mulher.

Ainda que seja normal ter alguma perda de urina, a mulher deve ficar atenta aos episódios recorrentes que possam indicar uma incontinência urinária na gravidez. Nesses casos, o mais indicado é falar com o obstetra e iniciar exercícios de fortalecimento da musculatura perineal como forma de tratamento, prevenção e preparo para o parto, evitando, assim, o agravamento do problema durante a gestação e após o nascimento do bebê.

Se você gostou do post, compartilhe-o com suas amigas grávidas em suas redes sociais!


  • 7
    Shares
  •  
    7
    Shares
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Faça agora seu chá de bebê online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *